Qual a relação entre uso de drogas e aids?

A AIDS (síndrome de imunodeficiência adquirida) é uma doença infecto-contagiosa transmitida pelo HIV (vírus da imunodeficiência humana). Foi primeiramente identificada nos Estados Unidos em 1981 e desde então vem se alastrando na forma de epidemia pelo mundo todo. As principais vias de transmissão do vírus são:

  • relacionamentos sexuais sem uso de preservativos;
  • seringas contaminadas, no consumo de drogas injetáveis;
  • da grávida contaminada para o feto;
  • pela amamentação, quando a mãe está infectada.

Muitas pessoas, a partir do contato com o vírus, desenvolvem anticorpos detectáveis em testes sangüíneos (anti-HIV), a partir de aproximadamente 9 semanas depois que a pessoa entrou em contato com o vírus. Quando o teste detecta os anticorpos para o vírus, a pessoa é considerada soropositiva. As pessoas soropositivas podem não apresentar sintomas da infecção e permanecer muitos anos sem desenvolver a doença. No entanto, são portadoras do vírus e por isso devem tomar medidas de precaução, tanto para não transmitirem a doença a outras pessoas quanto para se protegerem de serem novamente infectadas. Nesse sentido, como não se sabe quem é portador do vírus, sempre devem ser usados preservativos em todos os relacionamentos sexuais.

O uso de drogas é considerado um comportamento de alto risco para a infecção pelo HIV. Os usuários de drogas injetáveis podem se infectar quando usam a mesma seringa com outros. Mesmo as pessoas que não se injetam drogas mas as consomem de outra maneira podem se infectar por meio de relações sexuais sem preservativos. Diversos estudos têm mostrado que as pessoas sob efeito do álcool freqüentemente se envolvem em relacionamentos sexuais sem proteção.